PARA OS AMANTES DA POESIA











"O poeta é um fingidor,

Finge tão completamente,

que chega a fingir que é dor,

a dor que deveras sente."


Fernando Pessoa

terça-feira, 31 de maio de 2011

Mortos Mitos

Quantas belas Medusas eu encontrei?
O número de pedras que me tornei.
E de tantos Midas que dispensei,
De todo ouro que já toquei!
Quisera fossem os Olimpos que penetrei;
Paisagens lindas, celestes que me deixei!
Ou,
Os Abismos de Hades onde chorei?
De Hercúleos homens me apaixonei,
E parte deles eu conquistei...
A outra parte eu dominei;
E numa parte deles eu me incendiei!
Se eles pensam o mesmo, eu não sei!
Quimeras e muitos mitos eu já criei,
E alegrias normais eu sacrifiquei,
Penélope e Ulissses imaginei,
Eu, ele e um tear, que desmanchei!
E...
De todo fantástico mundo que eu sonhei,
Restaram apenas ruínas, que derrubei!
O real, cru e cruel eu enxerguei:
E quis ser como a vida que sepultei,
E vi que é belo também, o que matei!
Ao nascer de novo, pro novo que retornei,
Sem mito ou lenda, é o que terei,
Insano, verdadeiro, ou fora da lei!
Não há Hidra ou herói que adorarei...
Do meu Delfos sem sal eu só serei,
A mulher comum, como a que eu sei!

Nenhum comentário:

Postar um comentário