PARA OS AMANTES DA POESIA











"O poeta é um fingidor,

Finge tão completamente,

que chega a fingir que é dor,

a dor que deveras sente."


Fernando Pessoa

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Volta

Volto à terra.
Saio do teu Olimpo,
Caio no abismo,
No frio da terra;
No descampado
Da guerra!
Dia a dia de feras...

Quando vem a noite,
Te lembro...
E, em minha lânguidez,
Como num sonho vens,
E como num sonho vais,
Distante, oceânico,
É pura insensatez!

Como?

Como falar-te?
De amor e saudade,
De desertos e oásis,
Paradoxos e certezas...

Como sentir-te?
De longe e virtual,
De vácuos de tempo,
Fusos e encontros...

Como saber-te?
De leal e amado,
De moral e cuidado,
Conceitos e perdas...

Como amar-te?
De paixão e lascívia,
De mente e malícia,
Beijos e clímax...
Como...?

Viver

Viver os saberes do ser,
É acreditar e não crer,
É apostar para ver,
É voltar a viver.

Viver as dores do mundo,
É rever o próprio mundo,
É saber amar profundo,
É extrair amor do fundo...

Viver os amores da vida,
É sempre dar a partida,
É chorar a despedida,
É começar de novo a lida!