PARA OS AMANTES DA POESIA











"O poeta é um fingidor,

Finge tão completamente,

que chega a fingir que é dor,

a dor que deveras sente."


Fernando Pessoa

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Faz Tanto Tempo

Faz tanto tempo que não  te vejo;
Faz tanto tempo que não te sinto;
Faz tanto tempo que não te beijo;
Que até esqueci!

Faz tanto tempo que não te lembro;
Faz tanto tempo que não te ligo;
Faz tanto tempo que não te escrevo;
Que até esqueci!

Faz tanto tempo que não te toco;
Faz tanto tempo que não te espero;
Faz tanto tempo que não te quero;
Que até esqueci!

Bruno













Meu filho Èdipo, perfeito
Encara, encanta
Sonha, canta...
Dorme e quer meu peito!


Meu filho, urso amigão
Amor eterno;
Não é fraterno,
Vem das entranhas, do coração!

Meu filho Bruno, Hot Wheels
Encara o perigo,
É meu amigo,
Tem energia pra mais de mil!

SÓTÃO

Aqui no meu sótão de poemas
Vivo todos os dilemas
Posso até errar fonemas
Mudo as regras e os lemas!

Aqui no meu sótão de amores
Onde aprecio meus cantores
Sinto todos os sabores
Preto, branco ou em cores!

Aqui no meu sótão da imaginação
Renasço e morro, é tudo criação
Até dói, o singelo coração
Mas é tudo invenção!

Aqui no sótao das minhas saudades
Levo só amenidades
Pra enfeitar minhas vaidades
De fantasias e verdades...

Lembranças

Tantas canções me dizem
Coisas que eu quero ouvir,
E como que revivem,
Os instantes de sentir.

Tantos cheiros me lembram
Memórias de amor e infância,
Algumas ao meio me quebram,
Outras me dão ânsia!

Tantas palavras me tocam
Na alma e no coração
Me embalam e me levam
No fundo de toda emoção!

Tantos sentidos me consomem,
Com volúpia, lascívia e languidez...
Crescem, explodem e me comem
Aí, volto à censura da lucidez!

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Você pra mim



É você assim pra mim:
Distante, perto, misterioso...
Inteligente, consciente.
Vivo e fogoso!

É você assim pra mim:
Claro,escuro, fluido...
Pensa, sente.
Sonoro, sem ruído!

É você assim pra mim:
Ígneo, virtual, maciço...
Etéreo, aquoso.
Forte, inteiro, preciso!

É você assim pra mim:
Mágico, simples, complexo...
Estranho, íntimo.
Côncavo, convexo!

É você assim pra mim!

Flor e Borboleta




Hipotético, cético, real amor...
Tétrico, métrico, distante ardor...
De Farfala, fala, virtual torpor...
Culto, belo, como o Lácio compor...

De esculturas, de linguagens, de tanto humor...
Poliglota, sem rota, de mar e muita cor...
Transcende, transborda, transgride o furor...
...do Bucaneiro, furioso, destemido, sem dor...

Aberto como pétala em flor...
Os canais do hipotético, métrico, virtual amor

Quando tudo isso acontece

Quando brinco com as palavras,
é quando mais digo  verdades;
Quando brinco às tuas palavras,
é quando mais diz seriedades;
Quando brinco de brincar com as palavras,
é quando mais me conheço;
Quando brinca o palavrear,
é quando  o poema arremesso!