PARA OS AMANTES DA POESIA











"O poeta é um fingidor,

Finge tão completamente,

que chega a fingir que é dor,

a dor que deveras sente."


Fernando Pessoa

terça-feira, 2 de agosto de 2011

ACRÍTICA

ANDO PELOS ABISMOS,
VISITO HADES,
VOLTO AO OLIMPO,
VEJO VERDADES...
ME ENCANTA O INFERNO,
VELEJO NA LAMA,
VIVO AVENTURAS,
CAIO DA CAMA...
SONHO DO AVESSO,
VENERO DEMÔNIOS,
VISTO CABRESTO,
VENDO NEURÔNIOS!

PESADELO




Esta noite...
Vi teus fantasmas,
Vi tua face de horror
E, nesta noite...
Velando teus medos,
Aplaquei minha dor!

Esta noite...
Ouvi teus gritos,
Ouvi teu falar de rancor,
E, nesta noite...
Secando tuas lágrimas,
Afrouxei meu pavor!

Esta noite...
Vim te dar paz,
Vim embalar teu terror,
E, nesta noite...
Sonhando teus sonhos,
Abracei meu amor!

A caixa de Pandora




A caixa de Pandora aberta,
Todo mal em alerta!
Nunca mais se acerta,
O erro da descoberta!

A caixa de Pandora mostra
Tudo aquilo que não presta
Nunca mais se prostra,
O segredo que se alastra!

A caixa de Pandora enterra,
Toda vida numa guerra!
Nunca mais se encerra,
O inimigo desta terra!

Paradoxo

Em tantas verdades
Me transfiguro,
São só amenidades
Do obscuro!
Fatos e poucas maldades
Quereres no escuro,
Tabus e piedades
Que me seguro!
Atos vis de saudades
Atrás do muro,
De tais vaidades
Tão só me curo!

Tua Idéia

Se na idéia tua
Vi mares e marés,
Me escondi da lua,
Corri sem pés!

Acorda da tua idéia
Mares e marés revi,
Escondida da lua feia,
Sem pés eu subi!