PARA OS AMANTES DA POESIA











"O poeta é um fingidor,

Finge tão completamente,

que chega a fingir que é dor,

a dor que deveras sente."


Fernando Pessoa

domingo, 2 de novembro de 2014

Flor e borboleta

Hipotético, cético,
real amor,
Tétrico, métrico,
distante ardor,
De farfala, fala,
virtual torpor,
Culto, belo,
como o Lácio compor!

De esculturas, de linguagens,
de tanto humor,
Poliglota, sem rota,
de mar e muita cor,
Transcende, transborda,
transgride o furor,
... do Bucaneiro, furioso,
destemido, sem dor,

Aberto, como pétala em flor,
Os canais,
do hipotético, métrico, virtual amor!

Desastre

Que falta a este traste?
Contraste!
Que pensa este imbecil?
Pueril!
Que sonha este hedonista?
Conquista!
Que ama este Ogro?
Logro!
Que sofre esta fera?
Era...!
Que toca este Davi?
Déjà vu!
Que almeja este ser?
Ler!

Quisera amar-te

Quisera amar-te assim:
Rápida e lentamente,
Sôfrega e impulsiva mente,
Fora à parte, o fim!

Quisera dar-te o sim:
Lânguida e suavemente,
Trôpega e serena mente,
Fora à parte a mim!

Quisere pôr-te enfim:
Lúgubre e levemente,
Côncava e lúcida mente,
Fora à parte o sim!